20.3.11

O Jantar está esperando por você

Colocava primeiro a toalha branquíssima e com cuidado posicionava os pratos e talheres e guardanapos.
Daí acendia muitas, muitíssimas velas perfumadas, e só então trazia as flores.
Lindas.
Olhava pra elas e pensava...
Pensava bastante que era uma grande pena que elas nunca resistiam a noite inteira... pena é que a lua se alimentava da vitalidade delas (!)... pena é que logo logo só restariam os espinhos de pé.
E era aí que as pétalas derramadas na mesa iriam começar a manchar o branco (tão cuidadosamente escolhido) de todas as cores intrometidas e vulgares que misturadas não passavam de um belo borrão tom de merda.
Mas felizmente também em breve se esgotaria a parafina das velas e antes que você chegasse meus fracassos se tornariam irreconhecíveis, e então finalmente quando isso acontecesse tudo já teria sido tragado pela escuridão e já não haveria mais nada a ser visto... nem o bom e nem o ruim.
E nem eu.
Por isso (ou por descaso?) você então passaria direto por nós - eu e meu carinho e minhas expectativas - e capotaria no sofá encardido num pulo só.

[E quem me dera eu pudesse realmente conjugar tudo isso somente no futuro do pretérito.]

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, garotona! Seu livro de contos vai sair maravilhoso!
    Dinho

    ResponderExcluir
  4. Oh, garotão! Se um dia sair um livro o primeiro é seu.

    ResponderExcluir